É a classe média, estúpido!

Mais uma vez, a classe média reacionária se organizou para derrotar o PT, e isso justifica os índices baixíssimos de abstenção dos eleitores bolsonaristas.

Com  O Cafezinho/Fórum

O erro das pesquisas produziu enorme perplexidade entre analistas, especialmente aqueles que dedicaram tanta energia para entender o que seus números apontavam.

Eu, por exemplo.

Segundo o presidente do Ipespe, o cientista político Antonio Lavareda, os erros se deram na falta de atenção para a abstenção. Curiosamente, e de maneira contra-intuitiva, o erro não foi nos percentuais de Bolsonaro, mas nos de Lula.

A Ipec de 20 de setembro estimava que Lula teria 47% das intenções totais de voto, no primeiro turno, e que Bolsonaro deveria ter 34%.

Quando as urnas se abriram, Lula pontuava 36,6% (sobre eleitorado total, o que é diferente de votos válidos), 10,4 pontos a menos que na pesquisa. Bolsonaro, por sua vez, tinha 32,4%, número próximo do previsto.

A quebra do voto lulista foi causada, segundo Lavareda, pela abstenção.

O eleitor de Bolsonaro quase não se abstém, não apenas porque tem renda maior, mas porque tem uma cultura política de maior mobilização.

Hoje foi divulgada a primeira pesquisa para o segundo turno, da Ipec, estimando o voto de Lula em 51% dos votos totais, e os de Bolsonaro em 43%.

Se estes números estiverem corretos, Lula terá 14,4 pontos sobre os votos totais que recebeu no primeiro turno de 2022, ao passo que Bolsonaro avançou 10,6 pontos.

Entretanto, é preciso fazer um exercício aqui: caso a mesma distorção se repita no segundo turno, ou seja, se a abstenção prejudicar Lula agora da mesma forma que prejudicou no primeiro turno, fazendo-lhe perder 10,4 pontos sobre o percentual que aparece na pesquisa, então o petista teria, em verdade, 40,6% dos votos.

A diferença dos números de Bolsonaro, por sua vez, entre o que aparece na pesquisa e o seu voto real, lhe faria ter 41,5%.

É um empate técnico, e uma situação perigosa para Lula.

Entretanto, é difícil crer que, neste segundo turno, a distorção se repita da mesma forma. Os próprios pesquisadores do Ipec, quero acreditar, devem ter sido orientados para imporem um filtro mais rigoroso sobre o eleitorado que pretende se abster.

Além disso, a apuração dos números de segundo turno é mais simples, em virtude do menor número de candidatos.

De qualquer forma, a análise dos números estratificados do Ipec, especialmente por renda, explica a razão da abstenção muito maior observada no eleitorado lulista.

É o voto de classe média, estúpido!

Mais uma vez, a classe média reacionária se organizou para derrotar o PT, e isso justifica os índices baixíssimos de abstenção dos eleitores bolsonaristas.

Vamos comparar os dois extremos dos estratos de renda.

Entre os eleitores mais pobres, com renda familiar até 1 salário, Lula ganha com 64% dos votos totais, contra 29% para Bolsonaro.

Já entre eleitores de classe média, com renda acima de 5 salários, a situação se inverte: Bolsonaro tem 65% dos votos, contra 30% para Lula.

Segundo o próprio Ipec, apenas 12% do eleitorado tem renda superior a 5 salários, contra 28% daqueles que ganham até 1 salário.

Mas há uma diferença importante: a classe média brasileira, majoritariamente reacionária, desenvolveu uma aguda consciência de classe, desde as jornadas de junho de 2013. Ela se descobriu dona de um imenso poder político, maior do que o da mídia tradicional. A consciência desse poder lhe confere capacidade para derrubar ou eleger governos.

Bolsonaro é o seu grande campeão.

O maior desafio da campanha petista, portanto, é avançar na classe média. A sociedade civil parece bastante mobilizada neste sentido. O apoio de artistas é importante por isso. Esse é um trunfo que a campanha deve usar bastante, pois ajudou certamente a segurar o voto da juventude de classe média, ou dos estratos de maior instrução.

Entre eleitores com ensino superior, Lula tem 46%, contra 49% de Bolsonaro. Ou seja, quando a gente olha para setores de classe média com melhor nível de instrução, o petista tem ido melhor.

Mas é preciso fazer mais. A classe média pode ser conquistada por uma estratégia voltada para o futuro. Não é inteligente focar apenas no passado. É preciso mostrar, à classe média, que um governo progressista e desenvolvimentista, pode modernizar o transporte público das grandes cidades brasileiras, e de todo país.

Um projeto fundamental para o desenvolvimento do país é a construção de ferrovias de alta velocidade ligando as capitais brasileiras.

O estabelecimento de escolas com ensino em tempo integral, inteiramente informatizadas, é outra chamativo importante para a classe média.

Seria uma excelente ideia, para a campanha de Lula, oferecer imagens em 3D, em propagandas eleitorais na TV e nas redes sociais, de um país cruzado por trens de alta velocidade, e com cidades possuindo complexos sistemas de metrô, tanto subterrâneos como de superfície! Se a China fez isso, porque não podemos fazê-lo?

Instalar paineis solares em todas as casas brasileiras, financiados pelo governo federal, também seria uma excentente ideia!

Seja como for, é importante oferecer à classe média brasileira um sonho de futuro! Caso consiga fazer isso, a campanha de Lula poderá amolecer o coração duro e conservador destes estratos.

Não é com factoides sobre maçonaria e satanismo que a campanha de Lula irá virar o jogo, mas com projetos objetivos, facilmente comunicáveis, que falem diretamente aos anseios da classe média brasileira.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: