Ministério Público Eleitoral diz que Lula não cometeu crime ao chamar Bolsonaro de “genocida”

Em documento enviado ao Superior Tribunal Eleitoral, MPE citou fala de ex-presidente em ato em Teresina (PI) em agosto onde desde então é  um dos termos mais utilizados por manifestantes para criticar o governo de Jair Bolsonaro (PL)

BdF – A Procurador-Geral Eleitoral (PGE) enviou ofício para Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afirmando que não houve infração ou crime eleitoral na manifestação do candidato à presidência Luís Inácio Lula da Silva (PT) ao chamar o presidente Jair Bolsonaro (PL) de “genocida”. O documento foi oficializado no sábado (20) à noite, e se referia a uma fala do ex-presidente durante ato na cidade de Teresina (PI), em 3 de agosto.

O vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gustavo Gonet Branco, defende que ao analisar as declarações de Lula durante evento “não é possível identificar conduta que caracterize irregularidade eleitoral.”

“Não é de se discernir, na referência a “genocida” impugnada pela representação, para além do propósito de crítica ácida à condução de política públicas, teor de malignidade que o torne incluído no domínio do ilícito eleitoral”, escreveu Gonet Branco.

“Todo aquele que assume posição de governo está sujeito a apreciações exaltadas sobre decisões que tomou no período da sua Administração, por meio de críticas que tendem a subir de ponto em tempos próximos de eleições em que o alvo é tido como candidato. Cabe, enfim, ver o emprego da expressão que provocou a representação como fórmula utilizada em conotação admissível no debate político, dadas as circunstâncias que cercaram o discurso”, conclui o vice-procurador.

A manifestação da Procuradoria-Geral Eleitoral veio após um acusação do PL, partido de Bolsonaro, de que, no evento de Teresina, Lula teria realizado propagação de discurso de ódio e ataques à honra e à imagem do presidente da República.

Gonet Branco também defendeu que “a crítica é componente irrecusável ao discurso político, de importância sempre encarecida para a formação da consciência dos cidadãos, decorrendo daí mesmo a consideração da liberdade para as formular como indispensável para a democracia”.

O vice-procurador-geral eleitoral afirmou que “o cenário político-eleitoral apresenta peculiaridades que devem suavizar os rigores na apreciação das palavras usadas pelos atores do processo quando de suas avaliações recíprocas”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: