Privatização de refinarias da Petrobras aumentaria a gasolina em 19% e diesel, 12%

“Efeito imediato da privatização é a subida geral de preços e não a diminuição”, afirma o economista Eric Gil Dantas, do Observatório Social da Petrobras

RBA – Desde 2016, após o golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, a Petrobras incluiu no seu “plano de desinvestimento” a privatização de oito das suas 14 refinarias. O argumento é que a venda das unidades de refino traria maior competição ao setor, fazendo cair os preços. De lá para cá, a refinaria Landulpho Alves (Rlam) – atual Mataripe –, na Bahia, passou para as mãos do fundo árabe Mubadala. Nesta sexta-feira (13), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição da Refinaria Isaac Sabbá (Reman) pelo Grupo Atem.

A privatização da Rlam, no entanto, desmente o discurso oficial do governo. Desde que foi vendida, a Mataripe vem praticando os mais altos preços dos combustíveis no país. De acordo com o Dieese, só neste ano, a refinaria aumentou a gasolina em 48%. No diesel, o aumento chegou a 58%. Em comparação, os preços da gasolina e do diesel na Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, ainda sob controle da Petrobras, subiram 37% e 45%, respectivamente.

Com base no comportamento dos preços da Mataripe, o Observatório Social da Petrobras (OSP) estima que a gasolina ficaria, em média, 19% mais cara no país, caso as outras sete refinarias já fossem privatizadas. No diesel, o aumento seria de 12%. O jornal Folha de S.Paulo publicou o levantamento nesta sexta-feira (13).

“Essa simulação mostra que o efeito imediato da privatização da Petrobras é a subida geral de preços e não a diminuição, como o atual ministro de Minas e Energia (Adolfo Sachsida) quer fazer crer com sua declaração”, afirmou o economista Eric Gil Dantas, do OSP.

Pior que o PPI

Também desde 2016, a Petrobras vem praticando a política de Preço de Paridade de Importação (PPI). Assim, a estatal passou a vincular os preços dos combustíveis produzidos no Brasil à variação do petróleo no mercado internacional, acrescidos dos custos de logística para importação que são inexistentes. Como resultado, somente de janeiro de 2019 para cá, a gasolina acumula alta 155,8% nas refinarias. O diesel subiu 165,6%.

Ainda assim, com as refinarias na mãos da iniciativa privada, a política de preços seria ainda pior. Na Reman, por exemplo, o OSP estimou que o litro da gasolina passaria dos atuais R$ 3,79 para R$ 4,44. Já o diesel passaria de R$ 4,88 para R$ 5,74.

De acordo com o OSP, a Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim (MG), teria a maior alta entre as refinarias privatizadas. O preço da gasolina passaria para R$ 4,86 pela gasolina, em vez dos atuais R$ 3,94. Já o diesel iria para R$ 6,25, contra R$ 5,04 cobrados atualmente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: