Socialistas vencem eleições legislativas em Portugal

Partido do primeiro-ministro António Costa surpreende e obtém maioria absoluta no Parlamento. Ultradireitista Chega, que tinha apenas um deputado no Parlamento, aparece agora como terceira força.

DW – O Partido Socialista (PS) liderado pelo atual primeiro-ministro de Portugal, António Costa, venceu as eleições legislativas realizadas neste domingo (30/01) com ampla vantagem, obtendo 41,68% dos votos.

Isso garante à legenda a maioria absoluta na Assembleia da República, o Parlamento português, com 117 do total de 230 assentos – nove a mais do que na legislatura passada.

O líder da oposição, Rui Rio, do Partido Social Democrata (PSD, de centro-direita), recebeu 27,8% dos votos, o que resulta em 71 cadeiras no Parlamento, apontou o resultado após a apuração de 99,13% das urnas.

O ultradireitista Chega, que tinha um deputado no Parlamento, aparece como terceira força, com mais de 7,15% dos votos e 12 assentos, enquanto os antigos parceiros da esquerda tiveram resultados piores.

O bom desempenho dos socialistas resultou na perda de votos do Bloco de Esquerda, que era a terceira força em 2019, com quase 7% e 14 parlamentares, e caiu agora para a quinta posição, com menos de 4,46% e apenas cinco assentos.

A Iniciativa Liberal (IL), que tinha um deputado, tem agora oito mandatos, com 4,98%, e é a quarta força política.

Costa promete “maioria de diálogo”

Costa prometeu uma “maioria de diálogo” durante os próximos quatro anos de mandato.

De acordo com o primeiro-ministro, “a maioria absoluta não é um poder absoluto, não é governar sozinho”. Costa enfatizou que esta maioria nasce da “vontade dos portugueses” e um dos seus objetivos é “reconciliar os portugueses com as maiorias absolutas”.

O governante classificou a vitória nas urnas como um voto de confiança e pela estabilidade do país, sendo um “cartão vermelho” dos eleitores para qualquer crise política.

Necessidade de governo estável

As eleições legislativas de Portugal, antecipadas devido à reprovação da proposta de orçamento para 2022 apresentada pelos socialistas, foram encerradas às 20h (hora local; 16h em Brasília), com o fechamento dos centros de votação nos Açores. A abstenção, de acordo com as pesquisas, seria inferior a 51%, número registrado nas eleições de 2019.

Os resultados provisórios contrastam com as pesquisas divulgadas nos últimos dias de campanha, que apontavam um empate técnico entre o PS e o PSD.

Embora haja “um certo desencanto com os socialistas”, segundo a politóloga Marina Costa Lobo, da Universidade de Lisboa, a maioria do eleitorado português crê que António Costa tenha “mais aptidões e experiência em governar” do que o líder social-democrata, Rui Rio.

Sob Costa, Portugal superou as medidas de austeridade, manteve disciplina fiscal e reduziu o desemprego aos níveis pré-pandemia. O país também apresenta o mais alto nível de imunização contra a covid-19 da Europa, com 90% de seus 10 milhões de habitantes totalmente vacinados.

Aludindo às vantagens da continuidade, os cartazes do PS traziam o slogan “Continuar a avançar”. O país necessita um governo estável, também para tirar plena vantagem do pacote de 16,6 bilhões de euros do fundo de recuperação da União Europeia, que deverá receber até 2026.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: